Pollyanna - Eleanor H. Porter

"Se em seu lavatório não havia espelho, ela ficava contente, porque isso a poupava de ver suas sardas; mas, se tinha sardas, não era um bom motivo para ficar contente porque não eram verrugas?".
Olá, tudo bom com vocês? Espero que sim! Até que enfim estou de férias, e consegui concluir o semestre sem ser preciso realizar nenhuma substitutiva! O que quer dizer que estou livre para vocês agora.
Bom, ainda estou lendo "Branca de Neve tem que Morrer", mas hoje trago para vocês uma resenha de um livro que li há algum tempo e que creio que muitos de vocês conhecem, é o livro Pollyanna de Eleanor H. Porter.

Título: Pollyanna
Autora: Eleanor H. Porter
Editora: Nacional
Páginas: 181

Sinopse: A pequena Beldingsville, uma típica cidadezinha do início do século XX na Nova Inglaterra, Estados Unidos, nunca mais seria a mesma depois da chegada de Pollyanna, uma órfã de 11 anos que vai morar com a tia, a irascível e angustiada Polly Harrington. Por influência da menina, de uma hora para outra tudo começa a mudar no lugar. Tia Polly aos poucos torna-se uma pessoa melhor, mais amável, e o mesmo acontece com praticamente todos os que conhecem a garota e seu incrível "Jogo do Contente". Uma otimista incurável, Pollyana não aceita desculpas para a infelicidade e emprenha-se de corpo e alma em ensinar às pessoas o caminho de superar a tristeza. 

Resenha: a história é imensamente cativante, em alguns momentos parece ser até meio infantil, mas nos ensina algo incrível: a ficar contente mesmo quando as coisas não acontecem da maneira que queremos. O livro conta a história de Pollyanna, uma garotinha filha de pais muito pobres e que sempre desejou uma bonequinha, mesmo que usada, mas quando chegou a caixa que era para conter a boneca, ao invés disso veio um par de muletas. O pai da garota, vendo a decepção em seu rosto diz "Há uma coisa pela qual podemos ficar contentes e agradecidos: é de não precisarmos de muletas". À partir desse momento, eles começam a jogar o jogo do contente, onde procuram qualquer motivo para alegrar-se e agradecer, não importando o que fosse. E além disso começaram a ensinar aos amigos e vizinhos esse mesmo jogo. 
Mas infelizmente, algum tempo depois, os pais da pequena Pollyanna acabaram por falecer, e a garota foi obrigada a viver com uma tia em Beldingsville, uma mulher rica mas completamente rabugenta. A menina apesar de ter sido mal recebida e ter sido instalada em um péssimo quarto, só vê motivos para alegrar-se. "Se em seu lavatório não havia espelho, ela ficava contente, porque isso a poupava de ver suas sardas; mas, se tinha sardas, não era um bom motivo para ficar contente porque não eram verrugas?". Qualquer coisa que a tia lhe fizesse pensando que Pollyanna uma hora ou outra começaria a chorar, a menina surpreendia com uma exclamação de completa felicidade. 
Enfim, já deu para perceber que o livro é fantástico né? Como eu disse, as vezes um pouco infantil, mas em alguns momentos precisamos voltar a ser criança e enxergar o mundo com os olhos de uma criança. Tem muitas outras coisas que a pequena Pollyanna faz, que te faz perceber o mundo maravilhoso que temos a nossa disposição, mesmo quando não temos tudo aquilo que queremos.

"Nunca desanime porque Deus sempre irá iluminar seu caminho e fazer da sua vida um jogo do contente".

11 comentários. Clique aqui para comentar também.:

Paula Lopes disse... [Responder comentário]

Eu já tinha ouvido falar, mas nunca me aprofundei. Bom que tem em formato PDF. Tenha um final de semana abençoado, beijos!

Blog Paisagem de Janela
paisagemdejanela.blogspot.com.br

Estante da Rob disse... [Responder comentário]

Oi =)

Esse livro é um dos meus favoritos, sempre que encontro para ler em alguma biblioteca eu o pego, porque ele é amor demais! Adorei a sua resenha!

Beijos, Rob
http://estantedarob.blogspot.com.br/

Gabriel Luan disse... [Responder comentário]

Poucos livros são tão divididos em opiniões como Pollyanna. É aquele tipo de coisa que ou você ama ou odeia. Sua resenha ficou ótima

Bjs, leemporai.blogspot.com.

Patricia Martins Bueno disse... [Responder comentário]

É um livro muito cativante, leia sim que não tem como não amar!
Beijo!

Patricia Martins Bueno disse... [Responder comentário]

Tbm amo demais! Li já faz um tempinho, e pretendo reler um dia desses, a história é realmente muito linda!
Beijo!

Patricia Martins Bueno disse... [Responder comentário]

Como eu disse é um livro bem simples, por isso algumas pessoas podem não gostar, mas não tem como não gostar da mensagem que ele traz, eu particularmente amo a história!
Beijo!

Thiago disse... [Responder comentário]

Parece ser um livro muito interessante e super divertido! Acho que todas as pessoas deveriam jogar o "Jogo do contente". Essa resenha só fez aumentar mais a minha ansiedade para lê-lo, kk.
Beijos!

Patricia Martins Bueno disse... [Responder comentário]

É muito bom mesmo o livro! Tbm acho que todos deveriam jogar. Leia sim, não tem como se arrepender!
Beijo!

Gabi disse... [Responder comentário]

Eu já estava louca para ler esse livro e essa resenha me deixou ainda mais ansiosa para comprá-lo.

Patricia Martins Bueno disse... [Responder comentário]

Compre sim é muito bom! Obrigada, fico feliz que a resenha tenha despertado sua curiosidade!
Beijo!

Cheilla Assis disse... [Responder comentário]

Muito bom. Fez parte da minha adolescência.Recomendo!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Topo