A verdadeira história de Alice no País das Maravilhas de Lewis Carroll

"Mas não quero me meter com gente louca", Alice observou."Oh! É inevitável", disse o Gato; "somos todos loucos aqui. Eu sou louco. Você é louca".
Olá! Tudo bom com vocês? Espero que sim! Hoje trago uma coisa diferente para vocês, não sei se conhecem uma história que circulou (e ainda circula) pela internet, sobre a história de Alice serem os devaneios de uma garota com esquizofrenia internada em um sanatório. Para mim essa história não fez muito sentido (como por exemplo, de que maneira a história foi parar nas mãos de Lewis Carroll) e resolvi pesquisar um pouco mais, e é isso que trago hoje para vocês. Tentarei resumir ao máximo, tudo o que descobri daria para escrever um livro, mas tentarei abordar os pontos mais importantes. Espero que gostem assim como eu!

OBS: todos os fatos aqui relatados foram retirados de lugares confiáveis, muitos tirados do próprio diário de Lewis Carroll.

Uma parte do diário de Lewis Carroll de 4 de julho de 1862 - [Entrada começa na página da direita:] 04 de julho - Atkinson trouxe para meus aposentos alguns amigos dele, uma Sra & Senhorita Peters, de quem eu tirei fotografias, e que depois olhou meus álbuns e partiram para o almoço . Eles, então, partiram para o Museu, e Duckworth e eu fizemos uma expedição até o rio Godstow com as 3 Liddell: nós fizemos chá no banco. (mais ou menos isso, minha tradução não está perfeita)

Charles Lutwidge Dodgson
Ou como é mais conhecido, Lewis Carrol, nasceu em 1892 em uma tradicional família britânica. Já na escola foi considerado muito inteligente, mesmo não se focando muito nos estudos. Adorava escrever poesias e tirar fotografias, e assim conseguiu se aproximar de muitas famílias ricas da região. Muitos dizem que Carroll era pedófilo, por gostar de tirar fotografias de crianças nuas (as imagens que não foram destruídas se encontram AQUI), essa teoria nunca foi comprovada, e muitos dizem ser um mito pois no período vitoriano na Inglaterra era moda tirar fotos de crianças. Mas alguns ainda continuam com as mesmas ideias de pedofilia, pois após a morte de Lewis, sua família destruiu muitas provas de seus casos amorosos e escândalos para não desonrar o nome da família, o que levaram alguns a acreditar que ele tinha sim envolvimento com crianças e documentos que comprovavam isso, mas que foram destruídos.

Carroll

A Alice real
A menina era filha do vice-diretor da Universidade de Oxford, Henry George Liddell, e Carroll acabou o conhecendo em 1856, quando estava tirando fotografias de uma catedral, e assim se aproximou de toda a família Liddell, especialmente Alice.

Alice

Como surgiu a história
Um certo dia em 1862, foram em um passeio de barco pelo rio Tâmisa, Carroll, Alice e suas duas irmãs, Lorina e Edith, e lá começaram a pedir por uma história, e depois de muita insistência, Lewis acabou inventando a história de Alice Embaixo da Terra (primeiro nome da Alice no País das Maravilhas) e toda vez que Lewis queria terminar a história, as garotas o encorajavam a continuar, e assim o fez. Mais tarde em sua casa, passou para o papel aquela história toda e só dois anos mais tarde é que tornou a ler e então fez algumas alterações, como adicionar personagens, capítulos e um novo nome: Alice no País das Maravilhas que surgiu em 1865 e seis anos mais tarde surgiu Alice do Outro Lado do Espelho.

Alice e Carroll

A história tem relação com a Alice real?
Mesmo quando Lewis ainda era vivo, ele afirmou que a história não tinha relação alguma com Alice Liddell, foi somente algo inventado para distrair as meninas, mas que foi sim dedicado à Alice. Mas existem sim algumas ligações da menina do livro com a menina real. As duas sagas de Alice passam-se em datas espaciais: Alice no País das Maravilhas em 4 de maio (aniversário de Alice) e Alice através do espelho em 4 de novembro (exato dois meses após seu aniversário) e no segundo livro a menina afirma ter sete anos e meio, e essa seria também a verdadeira idade da Alice real. Mas as duas meninas são bem diferentes: a do livro era loira, esperta e espevitada, já Liddell era morena, banal e insípida.

Mas de onde Carroll tirou todas aquelas ideias?
Lewis Carroll tentou trazes para a história muitos fatos cotidianos da vida das meninas, como por exemplo:
- a nogueira onde aparece o gato, é a mesma que pode ser vista no Colégio de Deanery;
- na Catedral de Ripon, existe talhada em madeira uma imagem de um grifo que serviu de inspiração para o Grifo amigo da Falsa Tartaruga; 
- a história que o Chapeleiro e a Lebre contam a Alice sobre as três irmãs que vivem num poço de mel (Elsie, Lacie e Tillie) refere-se a Alice e suas irmãs; 
- a porta que Alice ordena ao criado Rã que abra, é a caricatura da porta Norman da sacristia da Igreja onde o pai de Lewis Carroll era reverendo; 
- o capítulo sobre o Leão e o Unicórnio é inspirado nos símbolos das bandeiras da Inglaterra e Escócia, respectivamente; 
- o muro onde Humpty Dumpty se balançava é uma caricatura dos muros da Universidade de Oxford; 
- na beira do lago, onde Lewis e as três irmãs passeavam de barco, existiam algumas cobras que inspiraram Lewis na história do Pai Guilherme que equilibrava uma cobra no nariz.
- Lewis utilizou algumas características marcantes de alguns de seus colegas da Universidade de Oxford para descrever certos personagens: professores que dão conselhos filosofais (como a lagarta); professor Bartholomew apaixonado por morcegos e seu colega Duckworth que inspira Lewis no desenho do Pato e professores como Humpty Dumpty seriam capazes de discutir com Alice questões de semântica.
A obra toda apesar de não ter sido baseada em uma criança real, foi toda dedicada à Alice, tanto que no final do segundo livro tem uma mensagem que se juntarmos as primeiras letras de todos os versos, soletramos o nome completo de Alice Liddell.
No site Psiquiatria e Toxicodependência encontramos uma patografia de Lewis Carroll e lá diz que "um artigo de 1999 do The Lancet, sugere que pelo menos uma parte das aventuras de Alice tenha sido baseada nas percepções de Carrol sobre suas auras enxaquecosas. Aura é um primeiro estágio da enxaqueca ou de crises convulsivas, no qual a pessoa pode experienciar alucinações (visuais, olfativas, auditivas, etc) e outras alterações perceptivas. Carroll notou as alucinações enxaquecosas pela primeira vez em uma página de seu diário de 1885, no qual escreveu que "havia experimentado, pela segunda vez, aquela estranha afecção óptica de ver fortificações que se movem, seguida de dor de cabeça". Devido ao fato de este fenômeno ter sido descrito apenas uma vez antes de Alice no País das Maravilhas ter sido publicado, muitos autores descartam esta teoria".

Lorina, Edith e Alice Liddell

O que aconteceu depois
Sabe-se que em junho 1863, a amizade de Lewis e a família Liddell sofreu uma ruptura abrupta, curiosamente algumas páginas do diário de Lewis foram arrancadas no mês de junho, o que trouxe muitas suspeitas mas nenhum fato concreto. Mas suspeitam que ele resolveu se afastar após boatos a seu respeito, diziam que ele estava interessado na governanta das meninas e na irmã mais velha de Alice, Lorina e também correu boatos que Lewis pediu Alice em casamento mesmo a menina tendo 11 anos de idade, mas a verdade talvez nunca venhamos a saber.

Dos livros para as telonas
Em 1903 houve o lançamento de Alice in Wonderland em um filme mudo, dirigido por Cecil M. Hepworth e Percy Stow. Foi a primeira adaptação para o cinema do famoso livro de Lewis Carroll: Alice no País das Maravilhas. O filme tornou-se memorável pelo uso de efeitos especiais, incluindo o encolhimento de Alice na sala com muitas portas. Apenas uma cópia do filme original tem existência conhecida, e partes estão perdidas. O British Film Institute restaurou parcialmente o filme. A cópia restaurada foi lançada em 24 de fevereiro de 2010 (Wikipédia).

Depois desse, foram mais 17 adaptações para o cinema, das quais duas são mais famosas: o desenho animado de 1951, dos Estúdios da Disney, e a versão modernosa dirigida por Tim Burton, também distribuída pela Disney. O desenho animado trata-se, na realidade, de uma história adaptada, quemistura elementos dos dois livros em uma única história. Assim, personagens do país das maravilhas são misturados com situações e elementos que Alice encontrou apenas em sua segunda aventura, que atravessou o espelho. 
Em Alice no País das Maravilhas de 2010, a versão de Tim Burton conta uma nova história, supostamente a volta de Alice ao País das Maravilhas, treze anos após sua primeira visita. A jovem, agora com 19 anos, encontra uma situação de guerra que apenas ela poderá resolver. Novamente, o roteiro mistura elementos de ambos os livros: por exemplo, a dualidade Rainha Branca e Rainha Vermelha é fruto de uma fusão entre a Rainha de Copas, do primeiro livro, com as rainhas da tabuleiro de xadrez (Branca e Preta) que aparecem no segundo.
E aí, o que acharam? Acredito que essa história faça bem mais sentido que a da menina esquizofrênica, principalmente por ter provas documentadas de tudo isso. Eu não sabia que tinha um filme de 1903, mas agora quero muito assistir! Vocês acham que Lewis era mesmo pedófilo ou eram só boatos, afinal as pessoas adoram ver maldade em tudo né, vai saber! 

21 comentários. Clique aqui para comentar também.:

Elton Mello Rosa disse... [Responder comentário]

É no minimo interessante, sempre achei Alice enigmática e parece que sempre será assim. Obrigado por nos mostrar uma nova visão. ;)

Anamara disse... [Responder comentário]

Olá! Muito interessante seu post, acho que a maioria das pessoas não conhecem a história do Charles e da Alice (pelo menos uma parte dela, como vc disse algumas nunca saberemos). Eu li recentemente um livro que se chama Eu sou Alice. Ele mistura esses fatos com algumas partes de ficção, mas ficou perfeito na minha opinião. Vale a pena conferir. Muita coisa eu pesquisei depois, mas descobri ainda mais sobre isso pelo seu post! Vi esse filme antigo e é meio estranho mas vale conferir também. Não acredito muito que ele tenha sido pedófilo, mas nunca se sabe ne! Já falei demais. Sou viciada nessa história haha... Bjs!

Kamila Mattos disse... [Responder comentário]

Ola Amanda. Tambem gosto da historia da Alice. Tenho uma amiga que fala que sou uma "Alice" porque de acordo com ela, vivo num mundo de conto de fadas, porque sou sonhadora kkkk. Eu nao sabia nada do que foi dito aqui. Estou surpresa com tanta informaçao. Quero ver o filme que comentou e tambem o livro que falou. Muito bacana seu comentario. Vou me informar mais sobre estas obras.

Gabryel Fellipe Ferreira Costa disse... [Responder comentário]

Que demais! amo tudo relacionado as histórias de Carroll! Bom, essa parte da menina esquizofrênica parece ter surgido por pessoas que gostam de inventar as coisas quando não as entendem. No livro "O Lado mais Sombrio" tem a Liddell que parece ser esquizofrênica como a sua mãe que está internada, mas só parece, ela não é, e pessoas que não leram o livro, ouviram por outras e rolaram esses boatos que chegaram a mim, mas como eu havia lido o livro, percebi que havia vindo daquela fonte só que alterado. Desculpe, mas eu acredito sim que Lewis amava meninas novas, não sei se pode ter havido abuso, mas que ele gostava eu boto minha opinião que sim.
Amei o post.. fiquei também curioso pelo filme mudo :DDD

http://gabryelfellipeealgo.blogspot.com.br/
El Costa, do Confins Literários

Kel Araujo disse... [Responder comentário]

Essas histórias por trás destes contos famosos são sempre meio bizarras huahuahua. Eu tinha lido que o Carroll tinha se apaixonado pela Alice... enfim, como vc disse, nunca saberemos =P

beijos
Kel
www.porumaboaleitura.com.br

Jucilene disse... [Responder comentário]

Alice no País das Maravilhas é clássico da literatura mundial e como tal está envolto de histórias (reais ou inventadas) que servem para aumentar ainda mais o seu fascínio e encanto.
Parabéns pelo post, muito interessante e completo.

Joyce Tirolli disse... [Responder comentário]

Olá Patrícia. Muito curioso seu post...Acredito ser muito relevante e construtivo sabermos as fontes inspiradoras (por assim dizer) das histórias que lemos. E nada mais esclarecedor para compreender tais histórias, como obter informações acerca de acontecimentos e aspectos pessoais da vida de seus autores. Quando levamos em conta essas informações ao lermos romances escritos, parece que temos uma visão diferenciada sobre aqueles e chegamos mais perto da real intenção de seus criadores!
Parabéns pelo post! :)

Leeticia disse... [Responder comentário]

Achei a história do Lewis incrível, não conhecia nada dessa história nem dos boatos sobre a sua verdadeira personalidade e aparência de Alice.
Adorei, traga mais histórias assim, são super interessantes.
Beijos
neversaynever-believe.blogspot.com.br

Pâm Possani disse... [Responder comentário]

Nossa! Esse Lewis Carroll acho que me surpreendeu! Achei interessante essa ideia de quem é a Alice verdadeira e a historia dele com familia - ele estava beijando-a naquela foto??
Eu ganhei da minha vó recentemente esse livro mas numa versão bem antigona rsrs
dificil mesmo ver meninos nos blogs e eu adoro hahahaha
Um beijo!
Pâm - www.interruptedreamer.com

Anônimo disse... [Responder comentário]

Olá! Gostei do post,muito interessante ver as influências da vida real no livro , mostra outra visão.

Coruja de Quinta disse... [Responder comentário]

Eu já tinha lido algo sobre a possibilidade de do Carrol ser pedófilo e que a ruptura da amizade com a família da Alice seria por terem descoberto que ele abusava da menina. Nunca teremos certeza se era fato ou boato.
Mas as história da Alice me parecem muito psicodélicas, acredito na possibilidade de ele ter se inspirado nas visões que ele tinha com a enxaqueca.

Abraços!

Fran

http://corujadequinta.blogspot.com.br/

Lerissa Kunzler disse... [Responder comentário]

Uau, que interessante!!
Muito legal saber tudo isso, realmente.
Parabéns pelo post!
Beijos, Lerissa. :D
lerissakunzler.blogspot.com.br

Gaby Cortez Harket disse... [Responder comentário]

Olá :) Ótima postagem!
Gostei muito de todas as informações que você escreveu, tudo é muito interessante, eu já sabia sobre algumas coisas citas e outras não.
Eu fico na dúvida se o Lewis Carroll era pedófilo ou não, só que eu acredito que ele gostava muitíssimo de crianças, e gostar bastante de crianças não é ser um pedófilo, mas é claro que isso depende de cada um.
Eu já li e ouvi falar que o Charlie Chaplin era pedófilo, mas nas épocas antigas as pessoas casavam-se muito jovens, principalmente as mulheres. :)
bjus...

http://my-stories-wonderful-books.blogspot.com.br/

Sara Caroline Lopes disse... [Responder comentário]

Sempre gostei de saber sobre as histórias por trás dos livros publicados, saber sobre o próprio autor e tudo mais. Gostei da matéria, a obra do Carroll é uma das mais conhecidas do mundo, por isso acho que tudo que a cerca tem um certo tom de magia, da mesma forma que o próprio livro.
Beijos.
vicioliteral.blogspot.com

Letícia Silva disse... [Responder comentário]

Eu já tinha lido sobre essa relação do Carrol e da Alice e foi muito legal você ter trago isso aqui no seu blog, parabéns!!

Beijos
livroscomchadastres.blogspot.com

Priscila Oliveira Da Cruz disse... [Responder comentário]

Oi. Eu já tinha ouvido falar da verdadeira história do livro "Alice no País das Maravilhas". Bacana que você tenha publicado aqui!
Beijos.

Beatriz Sousa disse... [Responder comentário]

Gostei imenso, não fazia a minima ideia dessas coisas todas

Beatriz Sousa disse... [Responder comentário]

A terceira foto com a alice e o carroll é uma montagem, pelo menos é o que descobri na net

Angelo Gabriel Pereira disse... [Responder comentário]

acredito sim que este escritor era pedófilo.E que m todas as versões de Alice ela foi vítima de abuso sexual.O que é lamentável.Lembro-me quando criança, que o primeiro filme que fui assistir no cinema foi este:Alice no País das maravilhas.o que m apaixonei por todo aquele encanto de bichinhos e personagens.Lembro-me que quase quis ser uma Alice.Mal podia imaginar, que por de trás desta história toda escondia uma história de dor e sofrimento, de uma criança sendo abusada.Fico triste e sensibilizada com a verdadeira Alice.

Liu Ryuuzaki disse... [Responder comentário]

oi meu nome e jaqueline e eu tenho um livro da alice no pais das maravilhas e sim no livro a uma foto antiga ne uma pagina do livro e esta alice e a mesma que este sai te mostro so que de frente e uma foto atras de lewis carroll querem que mostre entao eu mando uma foto

Anônimo disse... [Responder comentário]

Estava necessitando de algo assim para ter uma inspiração para poder escrever minha estória. Muito Obrigado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Topo